Dia Mundial das Redes Sociais

Redes Sociais? Uma mão cheia de razões para as usarmos em prol da nossa saúde

Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram, YouTube, WhatsApp, Pinterest, Snapchat, Tumblr, Twitch, Tik Tok… as redes sociais estão presentes em todos os aspetos da vida humana, nos nossos computadores, tablets e dispositivos inteligentes como telemóveis, relógios e televisões. 

Ao permitirem que os seus utilizadores se (re)encontrem, comuniquem e compartilhem informações, opiniões, fotos, vídeos e outros conteúdos por via digital, as redes sociais redefiniram a forma como interagimos e comunicamos…, mas como as podemos usar para melhorar a nossa saúde?

1: Apoio social, instrumental ou emocional

São múltiplos os exemplos de como as redes sociais já serviram para salvar vidas e permitir a prestação de cuidados de saúde atempados em situações de catástrofe natural, tumulto civil e momentos de profunda crise pessoal, fornecendo informações em tempo real às equipas de socorro e emergência médica ou disponibilizando um “ombro” amigo sem o qual o desfecho poderia ser mais fatídico. 

Paralelamente, as pessoas em maior risco de solidão, como os idosos, as pessoas debilitadas ou residentes em áreas isoladas, podem através das redes sociais manter contato com família e amigos, além de conhecer pessoas com quem compartilham interesses, e desta forma atenuar a sua solidão – e a sintomatologia depressiva que dela pode resultar.

2: Acesso rápido a informações sobre saúde & partilha de influências sociais saudáveis

Sendo as pessoas que conhecemos uma das fontes de informação que mais influencia as nossas ações e decisões quando enfrentamos um problema de saúde, não é de estranhar que as redes sociais possam influenciar as nossas decisões quando estamos doentes ou mesmo inspirar-nos a adotar hábitos de vida mais saudáveis. 

As pessoas com quem nos relacionamos influenciam também as outras fontes de informação a que acedemos, os recursos que usamos e, portanto, as recomendações de saúde que recebemos.

Não surpreende, pois, que a literatura demonstre que as redes sociais têm um potencial considerável na área da saúde, ao possibilitar novas formas de acesso e partilha de informações sobre doenças e seus tratamentos. 

3: Otimização da comunicação com (e entre) pacientes

As redes sociais podem, por exemplo ser usadas para expandir e otimizar a comunicação entre os pacientes e os profissionais de saúde, permitindo-lhes verificar o seu progresso entre consultas, reavaliar objetivos e esclarecer dúvidas.

Podem igualmente ser usadas para a comunicação entre pacientes permitindo-lhes trocar ideias e opiniões, expressar emoções e compartilhar experiências sobre a doença e tratamento.

4: Empoderamento dos pacientes

Ao possibilitarem uma maior acessibilidade a informação e aconselhamento credíveis e ao constituírem-se como sede de “comunidades” de pacientes, as redes sociais podem ajudar os pacientes a aprender mais sobre os seus problemas de saúde e a tomar melhores decisões futuras sobre os seus cuidados de saúde, beneficiando a sua capacitação e empoderamento, o que contribui para desempenharem um papel ativo nos seus cuidados de saúde.

5: Identificação de oportunidades de melhoria

Ao permitir que os utentes avaliem, com base na sua experiência pessoal, as unidades prestadoras de cuidados de saúde e seus profissionais, com o intuito de ajudar à decisão de outros pacientes que ponderem recorrer a essas mesmas instituições e profissionais.

Tais opiniões podem ainda ajudar as unidades prestadoras de cuidados de saúde e os seus profissionais a melhorar a qualidade e segurança dos cuidados prestados.

Por: Luís Pinho Costa | Médico de Família

Subscreva a nossa newsletter para receber as novidades em primeira mão!

Contactos

geral@wiselife.pt

Wiselife | Todos os direitos reservados | Copyright © 2019
Política de Privacidade